quarta-feira, 16 de março de 2011

Ninguém levanta um dedo no CDE ao abuso sexual de crianças indígenas

meninas indígenas para a indiferença das autoridades, continuam a prostituir nas ruas de Ciudad del Este. Todo dia você pode ver, os jovens com adultos, que pagam a partir de G. 10.000 a G. 20.000 para o sexo. Alguns deles são explorados por suas famílias, segundo a denúncia dos afetados.


Ciudad del Este (na língua regional). Um grupo de crianças que sobrevivem perto do terminal de ônibus ontem estava fazendo tratamento regular com homens adultos. Prostitutas em troca de G. 10.000 a G. 20.000.

Um dos menores que estava no mesmo grupo que outrora foi resgatado pela polícia a partir de um yuyal, onde ele estava com um homem, que oferecem serviços sexuais.

O homem que foi encontrado com os nativos é de 38 anos, guarda de segurança e disse que pagou G. 20.000 para os nativos em troca de favores sexuais. Ainda disse que tem um grupo de amigos com quem se comunicavam através de mensagens de texto. "Eu costumo dar-lhes, pelo menos, G. 20.000, porque meus amigos só paga G. 10.000 ", afirmou o detento.

Principalmente as meninas com idade entre 12 a 15 anos e cada dia que você andar na rua em busca de clientes. São forçadas a prostituir-se pelo chefe da comunidade, Lorenzo Galeano, explicou menos de 14 anos que foi pego com a guarda disse.

O detido foi identificado como Isidoro González Barreto e no dia depois de sua captura foi beneficiado com prisão domiciliar.

Segundo os dados, as crianças indígenas ganham entre 10.000 e 20.000 por G. G. serviço. Metade do dinheiro vai para eles e outro para o chefe.

Nativos "vendido" à luz do dia em yuyales. Frequentar o proximidades do Centro de Educação e Alejo Garcia Avenida.

O encontro se realiza no mato atrás do Palácio da Justiça, onde todos os dias são diferentes faces de homens esperando por eles. Depois de uma conversa de entrar no pasto onde eles são submetidos sexualmente.

Apesar das provas específicas, a acusação não será desencadeada. As crianças indígenas na prostituição são cada vez mais numerosos.

Tudo o que acontece com o descaso das autoridades regionais, a Secretaria Nacional de Crianças e Adolescentes (NANS), pelo Padre Nilo Mármore, que está desfrutando de um feriado.

Além disso, o Departamento de Assuntos Indígenas do Governo do Alto Paraná, cujo dono é Dorothy Jara, garante que há recursos, o Instituto da Criança, de Emily Ovelar, que também está de férias e deixou uma substituição, mas não sabe de nada e ONGs primam pela ausência.
Fonte:Diario ABC Color - Paraguay

3 comentários:

Ebrael Shaddai disse...

Ora, isso tudo me causa uma reação alérgico-mental que quase me leva ao vômito! Eu não sei o que dizer: é tudo de ruim que me passa à cabeça e ao mesmo tempo nada a dizer.

Escrever, falar, não leva a nada agora. Mas, se todos expusessem aquelas autoridades de merda ao vexame e à vergonha, digamos, pelo Facebook, talvez eles começassem a disfarçar melhor suas sacanagens, na menos vergonhosas das hipóteses.

Vou favoritar teu link, e logo que puder me abster do trabalho, verei o que se pode fazer no Facebook ou Twitter.

Abçs!

Pat disse...

Estou chocada! A sociedade branca está degradada desde sempre e a indígena parece ter sido contaminada pela cooptação de líderes que não protegem seu povo. São novos tempos e também novas as formas de escravizar, vender e subjugar os povos nativos. Uma vergonha! No fim das contas, as crinças brancas e indígenas são brutalizadas por homens doentios que deveriam estar presos, bem como as "autoridades" omissas.

Pat disse...

Estou chocada! A sociedade branca está degradada desde sempre e a indígena parece ter sido contaminada pela cooptação de líderes que não protegem seu povo. São novos tempos e também novas as formas de escravizar, vender e subjugar os povos nativos. Uma vergonha! No fim das contas, as crinças brancas e indígenas são brutalizadas por homens doentios que deveriam estar presos, bem como as "autoridades" omissas.