terça-feira, 21 de setembro de 2010

DECLARAÇÃO DE povos e nações indígenas

Vale a pena relembrar, pois o homem branco já se esqueceu destes direitos que pertence a nação indígena por direito!



Do coração da América do Sul em 12 dias de Outubro de 2007, os delegados dos povos indígenas originais e as nações do mundo, reunidos no Encontro Mundial: "Na história de Victoria dos Povos Indígenas do Mundo" para comemorar a aprovação da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, nós expressamos a nossa palavra:
De 515 anos de opressão e dominação, aqui temos sido incapazes de eliminar-nos. Temos enfrentado e sobrevivido políticas de etnocídio e genocídio, a colonização, destruição e saques. A imposição do capitalismo como sistema econômico, caracterizado pelo intervencionismo, as guerras e desastres sócio-ambientais, um sistema que continua a ameaçar a nossa maneira de viver como povos.
Como conseqüência da política neoliberal de dominação da natureza, a busca de lucros fáceis da concentração do capital em poucas mãos e da exploração irracional dos recursos naturais, a nossa Mãe Terra está ferida de morte, enquanto nós continuamos a povos indígenas expulsos do nosso território.
O planeta está a aquecer. Estamos passando por uma mudança climática sem precedentes, onde os desastres sociais e ambientais estão se tornando mais fortes e mais freqüentes, onde todos sem exceção estamos interessados e afetados.
O que se esconde uma crise de energia, onde a era do petróleo está acabando, mas encontramos uma alternativa de energia limpa que possam substituir as quantidades necessárias para manter a civilização ocidental nos fez totalmente dependente do petróleo.
Esta pode ser uma ameaça que vai nos deixar expostos ao perigo de que o desenrolar das políticas neoliberais e as guerras imperialistas para as últimas gotas de ouro chamado ouro negro e azul, mas também pode dar-nos a oportunidade de fazer este novo milênio, um milênio de vida, um milênio de equilíbrio e complementaridade, sem abusar de poderes que destroem a Mãe Terra.
Quanto de recursos naturais como terras e territórios que habitamos são nossos pela história, pelo nascimento, e sempre para a direita, de modo que a autodeterminação sobre estes é fundamental para manter a nossa vida, a ciência, a sabedoria, a espiritualidade, a organização, medicamentos e soberania alimentar.
Que inicia uma nova era conduzido pelo povo indígena, dando origem aos novos tempos, tempos Pachakuti, no momento da realização do Quinto Sol
Congratulamo-nos com a adopção da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, que é essencial para sua sobrevivência e bem-estar de mais de 370 milhões de indígenas em cerca de 70 países do mundo. Depois de mais de vinte anos de luta, responde a nossa reivindicação histórica de autodeterminação dos povos e do seu reconhecimento e direitos coletivos.
A Declaração aprovada contém um conjunto de princípios e normas que reconhecer e estabelecer o regime regulador internacional, os direitos fundamentais dos Povos Indígenas, que deve ser a base da nova relação entre os Povos Indígenas, Estados, sociedades e cooperação em todo o mundo. Portanto, além de outros instrumentos jurídicos existentes para os direitos humanos, a Declaração, é a nova lei de bases e práticas para assegurar e proteger os direitos indígenas em várias áreas e níveis.
Apelamos aos Estados-Membros das Nações Unidas e incentivar a prática de povos indígenas e dar efeito a este importante instrumento de importância histórica. Governos censor que votaram contra a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, e condenamos o duplo padrão.
Que nós nos comprometemos a apoiar o esforço histórico liderado pelo irmão Evo Morales, o presidente dos Povos Indígenas de Abya Yala, na construção de um novo estado multinacional. Para qualquer ameaça interna ou externa, iremos ver o que acontece na Bolívia e pedir os povos do mundo prestam o seu apoio e solidariedade a este processo, que deve ser seguido pelos povos, nações e Estados do mundo continuam nesta mesma caminho.
Portanto, Povos Indígenas e as Nações da demanda mundial de que os Estados cumpram com os seguintes mandatos:
1. Construir um mundo fundado sobre a cultura da vida, identidade, filosofia, cosmologia e espiritualidade dos povos indígenas de origem antiga, aplicando conhecimentos e saberes ancestrais, fortalecendo os processos de intercâmbio e fraternidade entre os povos eo respeito à autodeterminação.
2. Suponha que as decisões nacionais e internacionais para salvar a Mãe Natureza dos desastres causados pelo capitalismo em seu declínio, que se manifesta no aquecimento global ea crise ecológica, reafirmando que a cultura original indígena é a única alternativa para salvar o nosso planeta terra .
3. Substituir os actuais modelos de desenvolvimento baseados no capitalismo, a mercadoria, a exploração irracional da humanidade e dos recursos naturais, o desperdício de energia e do consumismo, com modelos que colocar a vida, a complementaridade, relação de reciprocidade, para a diversidade cultural eo uso sustentável dos recursos naturais como prioridades.
4. Implementar políticas nacionais em matéria de soberania alimentar como a principal base da soberania nacional, em que a comunidade garante o respeito de sua própria cultura como espaços e modos normais de produção, distribuição e consumo em equilíbrio com a natureza e saudável de alimentos livres de contaminação para toda a população, eliminando a fome, porque a comida é um direito à vida.
5. Repudiar os planos e projetos de geração de energia, como biocombustíveis, que destroem e negar alimento para as pessoas. Nós também condenamos o uso de sementes geneticamente modificadas porque as sementes destrói nossa antiga e nos obriga a depender do ramo agrícola.
6. Avaliar e reavaliar o papel das mulheres como a vanguarda da libertação indígena original lutas do nosso povo os princípios da dualidade, a igualdade ea equidade da relação entre homem e mulher.
7. Tomando a Cultura de Paz e Vida como um guia para resolver problemas e conflitos no mundo, desistindo da corrida armamentista, e iniciar o desarmamento para garantir a preservação da vida na Terra.
8. Tomando apenas mudanças legais necessárias para construir sistemas e meios de comunicação e informação que são baseadas em nossa cosmovisão, espiritualidade e filosofia comum, na sabedoria dos nossos antepassados. Garantir o reconhecimento do direito à comunicação e informação das populações indígenas.
9. Assegurar o respeito eo direito à vida, saúde e educação intercultural bilíngüe, a construção de políticas para o benefício dos povos indígenas originários e nações.
10. Para declarar a água como um direito humano, como um elemento vital e um bem social da humanidade, que não deve ser o lucro. Também incentivar o uso de energias alternativas, que não ameaçam a vida na Terra, garantindo assim o acesso a todos os serviços básicos.
11. forma responsável resolver as causas da migração entre os países, tendo as políticas de livre circulação de pessoas para garantir um mundo sem fronteiras, onde não há discriminação, a marginalização e exclusão.
12. Nações Unidas descolonização, e transferir a sua sede para um território que vai dignificar e expressam as justas aspirações dos povos, nações e Estados do mundo.
13. Não criminalizar as lutas dos povos indígenas, não demonizar ou nos acusam de terrorismo, quando o povo exigir nossos direitos e propostas de como salvar a vida ea humanidade.
14. Imediatamente grátis para os líderes indígenas presos em várias partes do mundo, sobretudo para Leonard Peltier nos Estados Unidos.
A luta não pára, não mais resistir a resistir, foi a nossa vez. Proclamar 12 de outubro o "dia do início da nossa luta para salvar a Mãe Natureza".
De nossas famílias, casas, comunidades, vilas, sendo ou não sendo no governo de nosso país, e se dirigiu a nós mesmos decidir o nosso destino, nós mesmos assumirá responsabilidade pelo viver bem e que herdamos de nossos ancestrais, para irradiar a partir do fácil e simples para a maior e mais complexo para a construção horizontal e entre todos, tudo e todos, a cultura da paciência, a cultura do diálogo e, finalmente, a cultura da vida.
Para os mortos, heróis e mártires que pagaram as nossas vidas, desejos e utopias, fortalecemos nossa identidade, nossos processos de organização e nossa luta para ter sucesso na construção da unidade dos povos do mundo e retornar ao equilíbrio, salvando a vida, a humanidade eo planeta Terra.
Reafirmamos nosso apoio para o nosso irmão Evo Morales para Prêmio Nobel da Paz, por sua entrega incondicional e permanente do serviço para o bem da humanidade, pessoas, planeta e da paz mundial.

Fonte: Econoticiasbolivia.com
 

2 comentários:

NILGAZZOLA disse...

Concordo... tem muito branco preconceituoso, não estou tendo preconceito contra branco. Mais sou branquela e graças a Deus Minha Bisavó era India, minha mãe tem aquele lindo cabelo liso preto e para mim saber que sou parte misturada de um povo tão sofrido, forte e capaz é muito orgulho. Os indios são o alicerce de Nosso pais, a cultura viva, a verdadeira cultura Brasileira. Parabens seu blog é muito bom. Não tenho condiçoes de ajudar mais tenho condições de elogiar.

Anônimo disse...

eu achei que o site é bem produtivo e criativo, obrigada pela figura mestiça do meu trabalho.. continuem assim